Category: HQ


Quadrinhos em forma de filmes

Como resultado de pesquisa no mestrado e doutorado em comunicação e linguagens a professora e pesquisadora  Dra. Denise Azevedo Duarte Guimarães publicou recentemente o livro Histórias em Quadrinhos & Cinema – Adaptações de Alan Moore e Frank Miller, Denise é docente aposentada da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e professora do programa de mestrado e doutorado em Comunicação e Linguagens da UTP –Universidade de Tuiuti do Paraná, onde coordena a linha Estudos de Cinema e Audiovisual.

tn_600_580_autora_220513

A professora deve a seus filhos (que costumam usar a casa da mãe como ponto encontro para compartilhar novos títulos de suas coleções, e conversar sobre o interesse comum). Contagiar a matriarca ao tema foi uma questão de tempo, tema ao qual dedicou quase meia década de estudos.

Nos quadrinhos colecionados por seus dois filhos, e ao começar a prestar maior atenção ao diálogo dessas obras com suas respectivas adaptações para o cinema, ela acabou por descobrir um vasto e rico território para o debate acadêmico, tanto no âmbito da narrativa quanto da Semiótica, uma das áreas fundamentais de interesse e pesquisa da professora.

Desde o início dos anos 2000, a indústria do cinema produz cada vez em maior quantidade histórias cuja origem está nas histórias em quadrinhos. O livro é uma publicação independente, na obra são analisados filmes baseados nos trabalhos dos consagrados autores Alan Moore e Frank Miller, a arte-final ficou por conta da editora da universidade, essa publicação é um dos primeiros estudos acadêmicos a respeito desse tema e faz uma discussão teórica sobre as adaptações.

“Meus filhos me deram de presente de aniversário o álbum com a 300 de Esparta, épica graphic novel de Frank Miller, e o filme de Zack Snyder nele baseado. Deles nasceu um artigo”, conta Denise. O texto foi apresentado e despertou bastante interesse no encontro da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (Socine), em 2008, e serviu de ponto de partida para vários outros, analisando as transposições para o cinema de obras de Alan Moore (de Watchman e V de Vingança), cujas narrativas, diz a autora, têm “um viés borgeano, de pseudoilusão e de metalinguagem” e de Frank Miller (do já citado 300 de Esparta e Sin City). “Miller, por sua fez, parece criar seus álbuns como se fossem story boards, com posicionamentos de câmera, cortes, elipses de tempo, como um filme.”

Histórias em Quadrinhos & Cinema – Adaptações de Alan Moore e Frank Miller (220 páginas, ilustração em cores, R$ 45,00) tem tiragem limitada e pode ser adquirido diretamente com a autora, pelo e-mail denise.guimaraes@utp.br (o valor não inclui o frete). Também pode ser encontrado em dois locais de Curitiba/PR: Museu Guido Viaro (Rua XV de novembro, 1348) e Sesc Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques, 189).

Créditos: Samir Naliato

Anúncios

55_355-Stieg-Larsson

“Os homens que não amavam as mulheres”, o primeiro livro da coleção, só sairia meses depois da morte prematura do autor, que infelizmente não tiraria proveito do sucesso de crítica e de público alcançado pela trilogia – os outros são “A menina que brincava com fogo” e “A rainha do castelo de ar”, todos publicados no Brasil pela Companhia das Letras -, levada às telas na Suécia e, parcialmente, nos EUA, em um longa estrelado por Daniel Craig e Rooney Mara, com David Fincher na direção.

Mesmo que milhões conheçam a história da personagem Lisbeth Salander, poucos sabem da vida de seu criador. O lançamento da HQ “Stieg Larsson – Antes de Millenium” que sai por aqui pela editora  Veneta, escrita por Guillaume Lebeau e ilustrada de forma brilhante por Frédéric Rébéna, ajuda nesta questão. São estas cinco décadas que foram resumidas nos quadrinhos; apesar de curto, o gibi mostra alguns fatos da biografia do escritor. Na verdade, três: a educação infantil, pelos avós, numa floresta da Suécia; a fase, já adulto, o treinamento de guerrilheiro marxista na África; e, finalmente, o períodocomo editor da revista “Expo”, que combatia as manifestações de extrema-direita naquele país e o ativismo antirracista.

Lançada no ano passado na França, a obra de Guillaume Lebeau e Frédéric Rébéna arrancou elogios da crítica em toda a Europa. Vale lembrar que tanto por lá quanto na Europa também já saíram adaptações para os quadrinhos da Trilogia Millenium, ainda inéditas por aqui.

Stieg Larsson: Antes de Millenium tem 64 páginas e vai custar R$ 24,90.

Créditos: Telio Navega

promethesus-movie-posterLançado no ano passado, o filme “Prometheus”, que era o marco do diretor  Ridley Scott ao universo da ficção científica e prometia solucionar as dúvidas existentes na franquia Alien respondeu muito pouco e ainda colocou mais dúvidas no ar, alguns fãs confusos — que não entendiam como as tramas se conectavam e, por isso, criticaram Scott. Agora foi divulgado por Mike Richardson, que é o fundador da editora de quadrinhos Dark Horse, uma das mais importantes dos Estados Unidos, de que a trama de “Prometheus” irá continuar nos quadrinhos paralelamente a sua sequência no cinema.
A informação foi passada ao site Hollywood Reporter e basicamente o empresário diz que “será algo que os fãs do incrível filme de Ridley Scott realmente vão gostar”, de acordo com informações do site, um artista já foi selecionado para desenhá-los mas seu nome ainda não foi divulgado.

A Dark Horse já tem experiência com o universo de Prometheus, tendo publicado regularmente quadrinhos da franquia Alien desde 1988. A editora também é responsável pelo encontro entre Alien e Predador, que depois seria levado ao cinema.
Não há informação se a versão dos quadrinhos afetará ou terá relação com a continuação do filme no cinema. Jack Paglen, é quem escreve o roteiro do novo filme.

O anúncio oficial do projeto, bem como mais detalhes, serão feitos na Comic-Con de San Diego, daqui a duas semanas.

Créditos : Henrique Rizatto

tony starkQue Downey Jr., será sempre lembrado como o Homem de Ferro por sua grande atuação ninguém tem dúvida. Difícil mesmo imaginar outro ator interpretando o enlatado. E isto lembra outra questão: o papel dos atores escolhidos no sucesso – ou fracasso – das adaptações de histórias em quadrinhos, notadamente aquelas de super-heróis.

O Superman de Henry Cavill está chegando aí e, somente pelos trailers, percebe-se que meio caminho já está andado. Será que finalmente a imagem icônica de Cristopher Reeve voando com o S vermelho no peito ficará mesmo restrita aos nostálgicos? Em julho saberemos.

Para citar outros filmes recentes que acertaram em cheio na escolha dos protagonistas, basta se lembrar de Ron Perlman como Hellboy ou o onipresente Hugh Jackman como o mutante Wolverine – que concentrou as atenções nos filmes dos X-Men mas passou vergonha no voo solo. Não se trata de um super-herói, mas, nessa linha, vale citar também o Marv de Mickey Rourke, em Sin City – A Cidade do Pecado (Sin City, 2005).

Por outro lado, são vários os casos de adaptações em quadrinhos que naufragaram muito em parte devido à atuação equivocada dos atores na pele de personagens icônicos. Claro, na maior parte das vezes os pobres coitados nem têm culpa – afinal, há um roteiro que precisa ser seguido e é aí, na história fraca e nos diálogos clichês, que algumas estrelas de Hollywood se afundam, Já é piada batida falar, por exemplo, da participação do galã  George Clooney no circense Batman e Robin(1997). Ele mesmo renega sua participação no filme de Joel.Schumacher, que, na adaptação anterior, Batman Eternamente (Batman Forever, 1995), já havia colocado Val Kilmer em maus lençóis.

Renolds_as_Green_Lantern

Mais recentemente, depois de muita expectativa, cinéfilos e fãs de quadrinhos saíram da sessão de cinema sem entender que diabos Ryan Reynolds estava fazendo no uniforme do Lanterna Verde, na adaptação de Martin Campbell (Green Lantern, 2011). Não bastasse a cara de tolo que Reynolds carrega consigo neste e em outros filmes, a chegada às telas do Lanterna Verde assumiu um tom propositalmente infantil, numa tentativa de fazer um filme para “toda a família”.

A máscara de Reynolds, que parece saída de alguma série da Disney Chanel, é um exemplo emblemático de uma adaptação que errou no tom. Justamente em um momento em que o herói fazia bonito nas histórias em quadrinhos, após ser literalmente renascido nas mãos do roteirista Geoff Johns e do desenhista brasileira Ivan Reis.

jennifer-garner-e-ben-affleck-foram-atingidos-pelo-cupido-em-demolidor---o-homem-sem-medo-em-2002-1337096606921_956x500

Exatamente dez anos atrás, era a vez de Demolidor – O Homem Sem Medo (Daredevil, 2003) virar alvo da fúria dos fãs.E nem precisava ser daqueles xiitas pra isso. Não sei qual dos papeis é mais constrangedor: Ben Affleck na pele do Demolidor ou a insossa Jennifer Garner tentando dar uma de mulher fatal como Elektra. A ficha parece não ter caído para os produtores e Elektra ganhou inclusive um filme solo (Elektra, 2005), execrado na mesma intensidade. Esses são só alguns exemplos que vêm com facilidade à cabeça. Mas não são os únicos casos.

Para você, quais outros atores se meteram em uma roubada ao assumir o papel de super-heróis no cinema?

Créditos:Rafael Waltrick

A Activision revelou nesta segunda-feira (07) que Transformers: War for Cybertron virá acompanhado de uma HQ baseada no game, mas somente para quem comprar nas lojas K-Mart e Sears. A revista será produzida pela IDW Publishing, que publica atualmente uma revista mensal e diversas minis e especiais dos personagens.

A HQ é um prelúdio, contando as origens da hostilidade entre Optimus Prime e Megatron. O roteiro é de Alexander Irvine, enquanto a arte ficou por conta de Don Figueroa, o desenhista oficial da revista mensal dos robôs.

O game permite que o jogador vivencie a trama do lado dos Autobots ou dos Decepticons, mostrando as origens da guerra entre as duas facções em seu planeta natal, Cybertron, muito antes do conflito alcançar a Terra. Como um autobot, a história mostra o heroísmo tomar forma enquanto você tenta salvar Cybertron contra chances impossíveis. Como um decepticon, o jogador fará de tudo para saciar sua sede de poder na busca pelo domínio do universo. O jogo permitirá partidas online multiplayers. Transformers: War for Cybertron será lançado para Xbox 360, PS3, Wii, Nintendo DS e PC no dia 22 de junho.

Créditos: Artur Tavares

Nessa terça-feira a Dark Horse revelou uma imagem da HQ Xerxes, que será um prelúdio da história mostrada em 300. produzida por Frank Miller e Dave Stewart. A imagem divulgada (e que estará à venda a partir de outubro nos Estados Unidos),mostra que o resultado deve ficar à altura de 300.

Frank Miller está bastante ocupado desenhando a história, o ponto de partida de Xerxes é a Batalha de Maratona, travada entre os exércitos de Atenas e da Pérsia.

Xerxes contará a saga do “rei dos reis” e sua saga em busca de consolidar seu poder. E se transformar em um deus. A trama começa dez anos antes dos eventos de Os 300 de Esparta. A idéia é que deuses coexistam com os mortais na história já que o protagonista busca alcançar sua divindade. Possivelmente, Ephialtes, o espartano deformado que se torna um traidor, terá um novo papel na trama.

Numa entrevista recente ao jornal Los Angeles Times, Miller explicou que o enredo se passa durante um período de dez anos. Xerxes será um dos personagens centrais e a história de sua chegada ao poder também faz parte do enredo, mas o protagonista será novamente um guerreiro grego, Temístocles.

Miller explicou que Temístocles é, em muitos aspectos, o oposto de Leônidas. Temístocles é mentiroso, ardiloso, mas, acima de tudo, brilhante. Leônidas e Ephialtes também farão aparições breves na história.

O objetivo de Miller é contar uma boa história em quadrinhos. O desenhista disse que não está pensando na história como um storyboard para o cinema, e também não pretende dirigir uma possível adaptação de Xerxes.

Zack Snyder e Thomas Tull, respectivamente o diretor e o produtor da versão cinematográfica de 300, já viram diversas páginas da história e estão bastante interessados em adaptá-la para o cinema.

Xerxes será publicada pela Dark Horse Comics como uma minissérie de seis partes, em 2011, e posteriormente será encadernada.

Fonte: SuperHero Hype

O site Bleeding Cool, anunciou que o Monstro do Pântano (Swamp Thing), personagem da DC Comics que nas mãos de Alan Moore foi o precursor da Vertigo Comics, voltará ao Universo DC ao lado de outros super-heróis.

Após a série de Moore, ou seja, durante as últimas décadas, o personagem esteve confinado ao universo fechado da Vertigo, sem nenhuma interação com outros heróis. Conforme o site, a revista originalmente foi planejada para o selo Vertigo, mas Dan Didio, co-publisher da DC Comics, decidiu aproveitar a nova HQ para reinserir o Monstro do Pântano no universo normal da editora.

Didio decretou que qualquer personagem que tenha sido criado dentro do Universo DC, como é o caso do Monstro do Pântano, criado por Len Wein e Berni Wrightson, deve voltar para a DC Comics. Swamp Thing ganhará uma nova revista, cuja equipe criativa ainda não foi anunciada, e vai interagir com personagens como a Liga da Justiça.

Outros personagens que podem ter o mesmo destino, ou pelo menos voltarão a ser vistos fora das revistas da Vertigo são a Orquídea Negra e Shade. O grande mistério continua sendo John Constantine, que embora tenha sido criado na revista Swamp Thing, antes da fase Vertigo, é, junto com Sandman, uma das pilastras iniciais do selo adulto da DC Comics.

O Monstro do Pântano foi um dos títulos precursores do selo Vertigo, juntamente de Homem-Animal, Sandman e outros.

A saga do Monstro do Pântano começa com o cientista Alec Holland tentando criar uma bio-fórmula restaurativa nos pântanos da Louisiana. Vítima de uma explosão causada por pessoas que queriam a tal fórmula, Holland falece. Mas seus restos se juntam ao pântano, criando um elemental da Terra, uma criatura formada pelo pântano, tendo forma humanóide, e portando sendo chamada de Monstro do Pântano.

O Silmarillion, é uma junção de várias histórias escritas por J. R. R. Tolkien, ocorridas muito antes da forja dos anéis, partindo da criação de Arda e conta a gênese das raças e o desenvolvimento do universo de Tolkien durante a Primeira e Segunda Era, entre outros contos.

Para introduzir a Obra a um público novo, um brasileiro que atende por Abel Overdrive reproduziu cenas d’O Silmarillion em quadrinhos, tendo como base, as letras do album A Nightfall in Middle-Earth, da banda alemã Blind Guardian. O projeto chama Nightfall, um prólogo ao Silmarillion, e já conta com 4 imagens, que podem ser conferidas no blog de Abel. O trabalho é realmente muito bem feito, e Abel planeja fazer mais.

A Dynamite Entertainment anunciou na terça-feira que planeja lançar uma HQ baseada em O Vingador do Futuro (Total Recall), filme de 1990 dirigido por Paul Verhoeven e protagonizado por Arnold Schwarzenegger e Sharon Stone, baseado em um conto de Philip K. Dick.

A história se passa no ano de 2084, Douglas Quaid (Arnold Schwarzenegger) é um operário perseguido em sonhos por visões de Marte. Casado com Lori (Sharon Stone), ele vive uma vida tranqüila e feliz… até que um dia resolve procurar a agência de viagem Reckall. Local que oferece aos seus clientes a chance de ir para qualquer lugar da galáxia, sem sair do planeta. Mas durante a viagem ocorrem problemas e quando Quaid retorna, passa a ser perseguido por aqueles que acreditava serem seus amigos, se envolvendo com conspirações, rebeldes, e tentando entender quem realmente é, e quais são suas memórias reais.

Não há data de lançamento para a HQ, nem mesmo equipe criativa para o título.

Créditos: Artur Tavares

A Guarda Invernal (antigos Supersoldados Soviéticos) está prestes a ganhar uma minissérie e esta será uma oportunidade (pra quem não conhece) de conhecer melhor estes personagens que já fazem parte da Marvel há algumas décadas, mas que pouca gente conhece.

A equipe, que sempre foi composta por Estrela Negra, Ursa Maior, Guardião Vermelho e Dínamo Escarlate manterá os mesmos heróis na nova minissérie, mas a identidade da pessoa por trás da máscara poderá estar em constante mudança, conforme for o caso de algum soldado morrer ou abandonar o grupo.

Estrela Negra será Irene “Reena” Stancioff. Ela controla o poder da força negra que antes era manipulado por suas antecessoras. A força negra a permite lançar rajadas de energia, teleportar, voar e fazer construtos com a mesma energia. Irene foi geneticamente alterada para se parecer com a Estrela Negra original, “mas, assumir o papel de uma mulher morta a deixou nervosa, insegura e inquieta“, disse o autor. Continue lendo

Superman: The Last Family of Krypton, é escrita por Cary Bates, um dos escritores clássicos do icone da DC, e desta vez unto de  Renato Arlem e o capista Felipe Massafera, ambos brasileiros. A nova HQ propõe um cenário um tanto diferente para a origem do Superman: enquanto seu planeta foi de fato destruído, Kal-El não veio sozinho para a Terra, mas sim acompanhado de seus pais.

De acordo com Bates, que já escreveu o Superman durante vários períodos entre as décadas de 70 e 90, sua idéia é contar mais uma história da família El durante trinta anos do que reimaginar uma origem.

A chance de explorar uma família kryptoniana vivendo na Terra é muito fascinante“, disse o escritor. “Uma vez passado o frenesi de invasão alienígena e de teorias de conspiração, os El se tornam as pessoas mais famosas do planeta e advinha qual o bebê mais fotografado do mundo?

A HQ vai mostrar um cenário totalmente novo. Kal-El é uma celebridade sendo criada por pais superpoderosos que são vistos como deuses pelo resto da raça humana. Além da criança, Bates disse que explorará outros personagens da mitologia do Superman, como a família KentLex Luthor e até outros heróis da DC.

Superman: The Last Family of Krypton será lançada em agosto, durando três edições e marcando o retorno do selo Elseworlds, com versões alternativas dos heróis da DC.

Créditos:Leandro Damasceno

O site Screen Rant fez cartazes de super heróis dos quadrinhos, animações, mangás e filmes com o mínimo de elementos necessários para identificar cada personagem.

Alguns são bastante óbvios, como Batman, Super-Homem e Homem Aranha. Outros só os fãs mais fervorosos conseguem identificar de primeira.

Confira abaixo e tente identificar Continue lendo

Star Wars: The Force Unleashed

Star Wars: The Force Unleashed II graphic novel que continua a história do game homônimo., será lançada em Agosto pela Dark Horse. Escrita por Haden Blackman, com desenhos de Omar Francia, a revista mostrará o Imperador Palpatine e seu discípulo Darth Vader colocando um novo plano em andamento para acabar com a guerra civil que assola a galáxia.

A HQ terá 88 páginas, e custará US$ 10,99. Veja a capa provisória ao lado.

“Star Wars: The Force Unleashed” é, para a LucasArts, bem mais do que um jogo. É um grande evento em torno do universo de “Star Wars”, já que inclui no cânone oficial uma série de elementos que aproximam as duas trilogias cinematográficas.

Créditos: Artur Tavares

Shadowland é uma saga que promete ser uma das maiores histórias do Demolidor. E se não tiver o seu arqui-inimigo Mercenário no meio, perde todo o brilho.
A Marvel divulgou um teaser para mostrar que o vilão estará presente. Shadowland: Bullseye será o nome do especial, que pretende mostrar que o Mercenário não abandonou o velho costume de encher o Demolidor.

Só que dessa vez, o Homem sem Medo vai reagir de uma maneira inesperada e vai obrigar o Mercenário a chamar seus amiguinhos para tentar escapar com vida.
O especial será desenhado por Sean Chen e escrito por John Layman.
O Demolidor colocando o Mercenário pra correr. Vamos esperar pra ver no que vai dar.

Créditos: Allan Couto

A Marvel divulgou essa semana o primeiro teaser de The Death of Dracula. Não foram divulgadas muitas informações sobre a saga, mas já sabemos o seguinte: A história será uma continuação da série cancelada MI-13, onde o vampirão apareceu pela última vez.

Na imagem vemos Drácula apunhalado no coração por um estaca de madeira e observado pelo que parece ser uma horda de vampiros escondidos nas sombras. Mas, há uma figura misteriosa em destaque observado o sofrimento de Vlad Tepes.

Teremos a presença de outros dois vampiros: Xarus, aparentemente uma versão dentuça do Magneto, pois ele tem as suas próprias idéias sobre o rumo de sua espécie, e Janus, do qual não temos nenhuma informação.

O texto diz “Uma traição amaldiçoa a era dos heróis: A Morte de Drácula”. A saga tem início em uma edição especial, Death of Dracula #1, por Victor Gischler e Giuseppe Camuncoli, os resultados desse especial vão repercutir em outras revistas da editora, como X-Men e Namor.

Este não é o primeiro trabalho de Gischler com vampiros, pois após a conclusão da saga “Second Coming” ele assumirá o título X-Men e lancará os mutantes em rota de colisão com vampiros.

The Death of Dracula será lançada em julho.