Os Homens que não Amavam as Mulheres é um dos melhores suspenses dos últimos anos. Baseado no primeiro livro da Trilogia Millennium, o longa já tem suas duas sequências finalizadas e lançadas, por enquanto, apenas na Europa. Carregado de tensão, cenas fortes, corrupção, violência e mistérios, a história gira em torno das consequências do encontro entre um jornalista investigativo e uma hacker profissional. Mikael Blomkvist (Michael Nyqvist) é famoso por suas reportagens que desmascaram escândalos, mas foi vítima de uma armação e condenado à prisão por difamação. Lisbeth Salander (Noomi Rapace) é uma jovem antisocial e rebelde, cheia de piercings e tatuagens, com um passado traumático e perturbador.

O filme tem como personagem principal o jornalista investigativo Mikael, contratado pelo poderoso magnata Henrik para uma missão, no mínimo, curiosa: descobrir o paradeiro de sua sobrinha Harriet, desaparecida, talvez morta, em 1966. O milionário tem razões para acreditar que foi alguém de sua própria família – cruel e numerosa – o causador do desaparecimento da (então) garota. Caberá a Mikael descobrir quem, como e por quê. Pelo caminho, o jornalista passará a contar com a colaboração da estranha e violenta Lisbeth, uma bela garota também com segredos a esconder.

Paralelamente ao foco nestes dois ótimos personagens, que parecem revezar o posto de protagonista, e cujo inusitado encontrado é latente, há cerca de quarenta anos, Harriet Vanger desapareceu misteriosamente e seu corpo nunca foi encontrado. Mesmo depois de tanto tempo, seu tio ainda acredita que ela foi assassinada por algum membro da família Vanger e contrata Mikael para investigar o caso. Ao saber de sua nova atividade, Lisbeth resolve ajudá-lo e os dois passam a ser parceiros. A dupla se envolve em um denso mistério, que, à medida em que é solucionado, vai levando a caminhos inimagináveis, que revelam obscuros segredos da misteriosa família. “Quem são os suspeitos? Ninguém. Todos”.

. “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” é um drama policial investigativo com mais sabor de cinema americano que propriamente de europeu. O roteiro é complexo, muito bem trabalhado e, apesar de não manter o foco em poucos núcleos, faz a estrutura narrativa parecer simples, tamanha a organização dos entrelaçamentos e força da montagem.  A longa duração poderia se entediante, mas nada, fica-se o tempo ligado no que acontece ou pelo menos curioso, já que o clima se mantém até o final quando ainda há surpresas.

O filmes estréia em 14 de Maio de 2010.

Trailer Aqui

Anúncios