Divulgamos aqui no Cinejan que na quarta-feira (21/4), SHREK PARA SEMPRE abriu o Festival de Cinema de Tribeca, em Nova York. A co-fundadora Jane Rosenthal diz que o último filme do ogro foi escolhido para dar início ao festival porque “todo nova-iorquino tem um ogro interior”. Entretanto, o “ogro interior” dos críticos não gostou do que viu na tela, e rugiu violentamente nas matérias publicadas nos últimos dias nos EUA.

Confira abaixo trechos das primeiras reviews de SHREK PARA SEMPRE:

Quando figuras da fantasia começam a ter crises de meia-idade e suas franquias animadas começam a ter crises de muita idade, é hora de pendurar as chuteiras (…). Sendo a despedida da série e sua primeira investida no 3D, o filme contém um número respeitável de risadas, mas pega a sua trama emprestada do eternamente reciclado A Felicidade Não se Compra, e se isso é tudo o que os seus criadores podem fazer, é melhor deixar Tão Tão Distante tão tão distante. (…) Como mérito, entretanto, SHREK PARA SEMPRE continua a tradição da série de enfeitar a história central com uma infinidade de gags visuais, piadinhas que dão uma nova visão dos contos de fadas e as incríveis performances vocais de Murphy e Banderas. Ambos estão hilários, mesmo em seus estados alterados no uiverso paralelo não-Shrek.(John Anderson, da Variety)

Você sabe que uma franquia está começando a cansar quando o personagem principal começa a ter crises de meia-idade. Esse é o caso do amado ogro de SHREK PARA SEMPRE. (…) O roteiro de Josh Klausner e Darren Lemke diverte um pouco com as mudanças visuais e de personalidade que os personagens sofreram, mas assim como muitas outras sequências, SHREK PARA SEMPRE perdeu muito do charme, humor e emoção que marcaram seus predecessores. (…) Os efeitos em 3D são inegavelmente impressionantes, mas assim como vários outros exemplos dessa onda tão popular, um pouco da qualidade visual é sacrificado com o inevitável escurecimento da imagem. O fato de que boa parte da história se passa em uma paisagem sombria não ajuda muito. Como é de costume na série, esta edição inclui um monte de referências à cultura pop – uma piada com O Mágico de Oz rendeu uma grande gargalhada – e várias montagens musicais feitas em cima de consagradas músicas pop.

(Frank Scheck, do The Hollywood Reporter)

Em 2007, as críticas negativas sofridas por SHREK TERCEIRO não impediram que o filme fizesse uma bilheteria respeitável. Resta saber se essa situação vai se repetir com o quarto filme.  Aqui no Brasil, a estreia  de Shrek Para Sempre está prevista para 9 de julho.

Anúncios