Se o cinema brasileiro não costumava dar muita atenção para histórias adolescentes, isso começa a mudar agora com filmes como Antes que o Mundo Acabe, Os Famosos e os Duendes da Morte e As Melhores Coisas do Mundo, nova aposta de Laís Bodanzky que estreou nos cinemas.

As principais ações do filme se desenvolvem num colégio de classe média alta onde estudam o protagonista Hermano (Francisco Miguez), a nerd Carol (Gabriela Rocha), o popular Deco (Gabriel Illanes), a blogueira fofoqueira Dri Novais (Thaís Nader), o depressivo Pedro (Fiuk), a baterista Bruna Sapata (Marô) e outros personagens.

As Melhores Coisas do Mundo trata do amadurecimento dos jovens de hoje, de famílias em fase delicada, de superexposição e invasão de privacidade, de ética profissional, de namoros imaturos, de paradoxos, da crueldade inconsequente e às vezes inocente, depressão e mais um monte de outros assuntos. Está lá, inclusive, uma certa dose de crise existencialista emo, na figura do personagem de Fiuk.

O ponto alto do filme é como ele consegue, além de retratar tão bem a confusão de sentimentos que é a adolescência, tocar em pontos que precisam começar a ser debatidos pela juventude, como o preconceito de gênero, a falta de respeito ao próximo, a intolerância com aquilo que é diferente do padrão e a incômoda apatia diante de tudo que está fora do lugar. As Melhores Coisas do Mundo vem mostrar que o cinema brasileiro não se resume a fome e miséria.                                                                                                        Trailer Aqui

Anúncios